segunda-feira, 16 de março de 2009

Era uma vez uma casa, aparentemente sólida, bem alicerçada, que parecia, por assim dizer, suportar qualquer vendaval, terremoto ou qualquer outra trágedia natural que agora não consegueria renomear.
Pois bem, esta casa, além de forte, apresentava um layout belíssimo, dava gosto de ver como os contrastes que a compunham fazia-na ainda mais bela e atraente. Tudo paradoxal, como são as pessoas, semelhantes e diferentes sempre... E dessa beleza que se falava, da beleza da diversidade.
O segredo da solidez e da beleza da casa se resumia numa palavra simples: CONFIANÇA!
Sim confiava e acreditava que a casa era bela e forte e que suportaria tudo...
Até que um dia, alguns tijolos começaram a ruir, não por causa de uma tempestade catastrófica ou coisa parecida, mas pelo contrário, o motido de tudo fora uma brisa leve e serena chamada desconfiança. E assim, sutilmente, estremeceu tudo que havia se construído.

O fim desta história, confesso que ainda não sei... Contudo, acredito na beleza e na solidez das amizades e sei que logo tudo vai se esclarecer. Uma conversa, olho no olho, por exemplo, pode resolver muita coisa. Pois como sempre, em tudo na vida, a pequena acredita em finais felizes.


"Você é meu amigo
Com você não corro perigo
Eu vivo de emoção
Você faz parte da minha viola e da minha canção
Você faz parte da minha viola e da minha canção"


"Musica Amigo, a Armandinho / Esdras Bedai)

Um comentário:

SOL disse...

Ótimo texto e uma ótima lição...
BJ
saudade