domingo, 21 de março de 2010

Sim sim, eu mereço!

Quiçá imaginar o real significado de 5 estrelas... Quiçá mesmo!
Pobre menina sertaneja, na típica cena de mostrar-se familiarizada com tudo, mas ao despedir-se do atendente, tranca as portas, e com um duplo mortal quase carpado cai na calma, e pensa: sim, sim eu mereço!
No banho, deleita-se... Tudo parece muito gratuito, inclusive a banheira... exceto o misto, quem pode acreditar: R$ 10... ela não acreditou....
Mais tarde, após um por do sol alone, esperou intrépida a chegada de outra intrépida...
Sem destino aparente, e sem esperar as peripécias da noite.
Nem poderia imaginar tantos vinis mesmo sem os cafés, que tal a devassa e a paulaner (é assim q escreve?). De tudo um pouco onde qualquer um poderia ser o DJ de uma vitrola na era tecno. Um instante de nostalgia... Vários... A surpresa - dentre tantos Janis, Mutantes, Led, Chico, Caetano, Gal, Luis, e tal tals – foi “Essa Mulher”, em coincidência e reincidência nata... Horas antes recebia sorridente o CD em plágio do LP que segurava naquele instante. Tudo merecia destaque... Outra surpresa foi “Hair”, como uma “deixa” para outros LP, sons e sabores.
Após os sons que tal as luzes em placas mãe no teto de um ateliê. Detalhes do passado entrelaçados com o contemporâneo e esquisito dos dias de hoje. Lá o DJ tocava não em vitrolas, mas a tecnologia abriu alas ao som do you tube com mais Janis – Cry Baby – entre outros...
A pequena mal se agüentava em pulos e poros... sorrisos. A companhia completa e cheia de companheirismo (uma redundância proposital) – foi ótimo, adorou!
De volta ao luxo do lixo, reencontrou (quase um ano depois) o que tinha conhecido a apenas um ano... Rápido e esquisito... ainda havia uma madrugada para curtir e papos para compartilhar... esse povo do norte se entende, sempre se entende... Duas jornalistas sonhadoras e merecedoras.
Acordando do sonho à labuta... Coragem... Aliás para enfrentar os problemas do novo e da nova, só com muita coragem... Mas no intervalo da labuta, vazamento e esquemática, uma pausa para Clarice e Anita, para poesia com as palavras e com os pincéis. O ver, ler e sentir. Lispector e Malfati fizeram a pequena sentir-se menos sertaneja e mais próxima da arte que sonhava... Fã incontestável de Clarice e uma BOBA admiradora de Anita, apreciou de forma rápida, não efêmera, mas sim eterna... Não tinha palavras pra agradecer a culpada daquela apreciação, foi ótimo respirava a pequena...
Tudo corria muito bem, pensava a pequena, ainda não tinha acontecido nada inusitado, fora os tais globais q insistiam em querer ser notados... Fora isso, por enquanto nada!

Mas que tal quase perder o vôo e chegar ao chek-in faltando apenas 5 minutos para ele acabar! Hum, essa foi uma longa história... No entanto, não menos intensa como todas as outras... Destaque para o herói da noite! A pequena foi salva por um carioca... Valeu por tudo e valeu a todos!

4 comentários:

Elaine Barnes disse...

A cada viagem seja interior ou exterior é sempre uma descoberta,um novo sorriso,porque de um ano para o outro mudamos tantas coisas, até a maneira de ver o que parece tão igual.Falou em 5 estrelas e seu significado. Tenho uma,(daquelas que a gente desenha no papel com 5 pontas)na palma da mão , perfeita. Sem´pre que me lembro dela dou uma olhadinha. Não tenho idéia porque está desenhada na palma da minha mão esquerda. rs... Montão de bjs e abraços

VASCODAGAMA disse...

OBRIGADA PELO COMENTÁRIO

VASCO DA GAMA PORQUE
NASCI NA MESMA TERRA QUE O GRANDE NAVEGADOR

BEIJO

cara pálida fora d´água disse...

só deu vontade de falar assim: love u...

Ju Fuzetto disse...

Muito legal seu espaço Flor!!!

Boa semana!!

beijocas